domingo, 5 de outubro de 2014

LIVRO: FORTUNA - A SAGA DA RIQUEZA


O contato com o livro “Fortuna: A saga da riqueza”, bem como, conhecer a maravilhosa escritora Cassia Cassitas foram presentes do Universo para mim este ano. Os mestres aparecem quando menos esperamos! Comecei a ler o livro cheia de expectativas, pois estava convicta de que muita sabedoria me seria acrescentada. E minha intuição é certeira! 
A empatia com Carolina foi imediata. Mulher apaixonada, equilibrada, dedicada e sonhadora, se esforçando para realizar seus projetos de vida. Com ela aprendi que a força está na sutileza, na delicadeza e até na falsa aparência de fraqueza. Casada com Ricardo, um homem enérgico e poderoso, usa sua flexibilidade e mansidão para ser o porto seguro do marido. Em meio a crises, é ela que se mantém firme e serena.
Em paralelo é relatada as vivencias de seus ancestrais, abordando a imigração dos italianos ao Brasil. Trecho particularmente especial, pois remeteu a o que meus antepassados possivelmente experimentaram. Me senti vivento, principalmente, o que Ana viveu. Ana é uma legítima matrona, mulher de personalidade forte, de garra, destemida, batalhadora, que não mede esforços para fazer o que considera ser o correto, faz tudo por aqueles que ama. Ana é a personificação do amor. Com ela aprendi que abrir mão de uma paixão pode ser preciso, e também aprendi que doação é a melhor forma de possuirmos algo. Ela tanto se doou, que automaticamente foi coroada como o centro da família.
Além das personalidades impactantes presentes no livro, o que me chamou a atenção foi a riqueza da explanação sobre os fatos históricos. O cuidado que a autora teve de colocar cada detalhe em evidência foi o impulso para nos transportar ao contexto em que a trama se dá, e nos fixar lá.
Mas a questão central é a relação entre felicidade e dinheiro. O bacana do livro é que ele não apresenta uma resposta nem tenta convencer de algo, ele apenas apresenta diferentes maneiras de pessoas se relacionarem com o financeiro. Fica subentendido que a fortuna é uma questão subjetiva, e que a riqueza não precisa ser, necessariamente, de dinheiro. Cada pessoa luta dia após dia de uma maneira singular angariar seu ideal de fortuna.
“As características de cada pessoa, sua saúde, disposição e principalmente motivação, determinam até onde ir”. Sábias palavras que levarei sempre comigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário