quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO




As relações de trabalho são demasiado complexas, especialmente em se tratando da hierarquia existente entre os que trabalham e como ela se estabelece.  Quem está em uma posição de poder em relação a outro nem sempre desempenha uma função de liderança, em alguns casos, poder ser um mero sujeito que ocupa uma posição de chefia sem ter habilidades para tanto. Por vezes é o proprietário da empresa, que só está no comando por possuí-la.
O funcionamento de uma equipe depende da eficiência e eficácia de seu líder. Se quem ocupa esta função não tem qualidades para desempenhá-la, problemas emergirão, principalmente no circuito interpessoal. E o principal deles é o abuso de poder em relação aos subordinados, a isto denominamos assédio moral.
Há pouco tempo tem sido estruturada esta nomenclatura. Outrora chamado de bullying no trabalho, a questão moral ficou algum tempo despercebida. Falava-se em assédio sexual, sem levar em consideração que a violência psicológica pode representar também muitos danos ao trabalhador, além de ocorrer com mais frequência do que imaginamos.
O assédio moral no trabalho é ocorrente em empresas que tem na posição de chefia um indivíduo despreparado, tirano e sádico, que percebe sua incapacidade enquanto trabalhador, e na tentativa consciente (ou inconsciente ) de transferi-la para outros habitua-se a manifestar comportamentos de total abuso, descaso, desrespeito para com os colegas e/ou funcionários subalternos.
Assédio moral é toda e qualquer conduta abusiva, seja por palavras, gestos, comportamento ou outra forma que fique impresso a ideia de rebaixar o trabalhador, o expor a situações vexatórias no período do exercício de sua função. Subestimar, desqualificar, hostilizar, ameaçar de demissão, chamar a atenção na frente dos outros, sobrecarregar de tarefas, difamar para os colegas, não fornecer o material necessário para trabalho ou tirar os materiais que a pessoa tem, ficar trocando de função, dar ordens em excesso exigindo que sejam cumpridas num curto período de tempo, acusar de coisas que não foi a pessoa que fez (como furto etc.), fazer brincadeiras de mau gosto em relação ao trabalhador, vigiar constantemente tudo que este faz, são algumas das principais formas de manifestações de assédio moral.
Jorge Dias de Souza autor do livro “As chefias avassaladoras” diz que todo chefe assediador procura de qualquer forma um "errinho" no funcionário, e onde não existe erro ele inventa. Pontua imperfeição em todo e qualquer trabalho que a pessoa faça, por mínima que seja. Tem como intenção desequilibrar o trabalhador o forçando a se demitir. Geralmente há uma tríade: o agressor, o agredido e os colegas que temem se manifestar por medo de sofrerem as mesmas perseguições ou até mesmo serem expulsos da empresa.
Define-se como um quadro de assédio moral se o trabalhador é exposto continuamente a situações constrangedoras, desconfortáveis, humilhantes, que tiram sua dignidade enquanto ser humano a ponto de lhe causar prejuízos físicos e/ou psíquicos.
Como sintomas físicos e psíquicos de quem é assediado podemos assinalar a alteração de sono, crise de choro, diminuição da libído, tontura, dor de cabeça, problemas digestivos, palpitação, diarréia, dores generalizadas, revolta, depressão, baixa autoestima, até mesmo podem desenvolver um câncer, tendo em vista que todo conflito emocional vai se manifestando na esfera física. A vítima pode se sentir culpada, incapaz, reprimida, ter diminuição da criatividade devido à pressão que vem sofrendo, temor de expor suas ideias, acaba por ter um descomprometimento com a empresa, algumas manifestam violência em casa. Existem casos em que os trabalhadores se suicidam, ou vem a falecer, como num caso muito recente que ocorreu na rede Globo de um Motorista que morreu de infarto após ser assediado moralmente por uma atriz da emissora.
Tadeu Veneri criou o projeto de lei contra o assédio moral, no qual fica estabelecido como penalidade de quem assedia: curso de reciclagem profissional, suspensão, multa ou exoneração do cargo. Sendo assim, caso você seja vítima, anote detalhadamente as humilhações que sofre, com data, hora e nome do agressor e de colegas que presenciaram, dê visibilidade a o que vem ocorrendo conversando com os colegas, evite comunicação com o agressor sem testemunhas, ou então grave a conversa. Após isto, procure o Ministério do Trabalho e do Emprego e denuncie. Ligue 158 para falar com Central Alô trabalho, atendimento a todo o Brasil, caso necessite de mais informações.
Psicóloga katree Zuanazzi
CRP 08/170170

Publicado no Jornal de Notícias "A Folha de Saltinho" dia 16-02-2013
Pode ser reproduzido citando a fonte e a autora. (Lei 9.610/1998) 


Um comentário:

  1. Adorei o texto.
    Lembrando que o assédio moral não parte apenas de modo vertical (chefia), podendo ocorrer de modo horizontal sendo este promovido por colegas da empresa.

    ResponderExcluir