quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

COMPRADORES COMPULSIVOS


A oneomania está entre a listagem de doenças consideradas modernas, enquadrada como transtorno de impulso, é uma desordem psicológica caracterizada pela necessidade exacerbada de consumir e vulgarmente é chamada de vício por compras. Tal apelido se deve ao fato de a pessoa acometida por ela manifestar o mesmo quadro sintomático apresentado por usuário de álcool e drogas, sendo assim uma dependente de consumo.
Inúmeras são as motivações que incitam uma pessoa a comprar, entre elas a diversão, modismo, influência da mídia, emoção, conforto, utilidade, desejo pelo melhor, status social e também por necessitar verdadeiramente de um objeto. Já o comprador compulsivo não, ele compra indiscriminadamente simplesmente porque este ato lhe propicia prazer.
O oneomaníaco sente uma necessidade desenfreada de comprar coisas mesmo que estas não lhe sejam de utilidade. Importa que as compre. O desnecessário, o supérfluo, o inútil, produz tanta satisfação quando adquirido como saciar uma fome. Comprar se torna uma necessidade básica da sobrevivência, e não remete simplesmente a satisfazer desejo, proporcionar melhor qualidade de vida, sanar uma falta, principalmente pelo fato de que tudo que a pessoa enxerga em lojas se torna exatamente aquilo que ela acredita que precisa e não pode viver sem.
Dificil é detectar este distúrbio, mais ainda a pessoa aceitar que é acometida por ele. A mensagem que paira na cabeça destes compradores é “Fazer compras é um prazer, proporciona alegria, aflora os ânimos, o que pode ter de errado nisso? Afinal, trabalhamos tanto para termos condições financeira para possuir o que desejamos, não é? É claro que uma pessoa tem todo o direito do mundo de gastar com o que quiser se paga o que consome, mas quando a quantidade e a frequência com que vem consumindo são excedentes em relação a seu poder aquisitivo ou compra impulsivamente coisas até mesmo as que não lhe tenham serventia, e por vezes chega a esconder dos familiares as compras que fez, isso não deve ser visto com tanta normalidade.
A oneomania emerge como forma de aliviar frustrações, decepções, angústias, sofrimentos, insatisfação, desânimo, é como se fosse um escape para uma vida insossa. A pessoa se esquece, desvia a atenção de sua falência existencial por uns momentos ao fazer compras, e este hábito vai se instalando até se tornar patológico. Um homem estressado com o trabalho, uma adolescente que briga com o namorado, uma mulher irritada com os filhos optam por eleger um Shopping Center como sua fonte de felicidade. Estes são meros exemplos de como tudo começa. Com o tempo a forma principal de a pessoa sentir satisfação se torna esta.
Quando a pessoa compra algo é como se ingerisse uma droga que lhe causasse um estado imenso de euforia que logo passa o efeito e deixa a exigência inconsciente de tornar a sentir este prazer tão intenso novamente. Algumas vezes a pessoa até se arrepende por ter comprado logo após o ato, mas isto não impede que ela consuma novamente na próxima oportunidade. Neste ponto a pessoa já é um oneomaníaco. Comprar, ficar feliz, se arrepender e querer comprar de novo vira um círculo vicioso.
            Atingindo discrepantemente mais mulher do que homens, por fatores ainda não especificados, em 90% dos casos os oneomaníacos deixam as finanças sobrecarregadas, alguns são devedores crônicos. Não há remédio especifico para o caso, o tratamento é pautado em grupos de autoajuda e psicoterapia.
Psicóloga katree Zuanazzi
CRP 08/170170

Publicado no Jornal de Notícias "A Folha de Saltinho" dia 19.01.2014
Pode ser reproduzido citando a fonte e a autora. (Lei 9.610/1998) 

2 comentários:

  1. Acho que eu tenho isso

    ResponderExcluir
  2. Adoro seus textos doutora. Esse eu ameiii. Tenho uma prima que compra tudo que é porcaria que ela nunca vai usar na vida e fica devendo pra cidade toda, e ai de quem falar alguma coisa. Vou mandar esse texto pra ela ler

    ResponderExcluir