sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O SEXO ALIENADO


Divergindo de épocas anteriores onde era motivo de tabu, estando fortemente encoberto, sofrendo represália, tanto sua prática em si quanto o simples fato de mencioná-la verbalmente, hoje o sexo emerge de uma maneira diferente, ou melhor, totalmente oposta. Se antes era rechaçado, agora apresenta-se de forma escancarada tanto o falar sobre como o ato em si.
Se outrora a menção dele era reprimida, hoje é estimulada, tanto entre os círculos de amizade, família, como nos veículos de comunicação. Antes era feio, constrangedor, vergonhoso assumir sua prática, hoje é o fato de não praticar que causa embaraço. Se antes as garotas mantinham-se virgens para ser consideradas honrosas, hoje isto é motivo de chacota. O assunto que era pouco abordado e o ato que era aprendido só na prática, geralmente após a união matrimonial, hoje passam a ser de fácil acesso. Informações de como fazê-lo são encontradas em revistas, internet, livros, curso e entre o círculo de amizades, e pode-se colocar em prática o que foi aprendido com muita facilidade.
Sendo entronizado pela sociedade contemporânea, o sexo deixa de ser uma questão de prazer e necessidade, tornando-se uma imposição, uma obrigação, um dever. As pessoas não o praticam pensando apenas em si próprias ou no companheiro, mas existe todo o envolvimento cultural a qual ele está atrelado. Não basta fazer sexo, tem que afirmar-se enquanto ser sexuado diante dos outros.
Existe uma cobrança em torno da questão de sexualidade. Ainda não está claro como isso aconteceu, como chegou a este ponto, mas o sexo começa a ser um peso, mais um compromisso na agenda lotada das pessoas. Não é o descarregador de tensão como a natureza propõe, mas torna-se um promotor de tensão. Há muita preocupação que pairam na mente das pessoas em ser sexualmente aceitas e isto se torna mais um problema.
Foi implantada a ideia de que uma pessoa para ser “saudável” tem que querer sexo todo dia, o tempo todo, sem restrições e qualquer indisposição é tachada de “problema de saúde”. Tem crescido o número de anúncios com mensagens subliminares que para ser feliz tem que ser uma máquina sexual, do tipo “Dificuldade de ter ereção? Nós resolveremos seu problema!”, “Anda indisposta? Temos a solução!”. Poxa vida, se o homem não esta tendo ereções é porque certamente não esta com vontade de transar, se a mulher não está “animada” é porque ela não quer naquele momento! Qual é o problema nisso?!
Nem metade das pessoas que aderem a estes tratamentos tem realmente problemas sexuais.Tem homens que pensam que se não fizerem sexo todo dia já estão com problema de ereção, mas não é bem assim. Estes anúncios cretinos manipulam a mente das pessoas fazendo-as se sentirem desenquadradas socialmente. Mas, sendo sincera, uma pessoa para desejar sexo o tempo todo só se for ninfomaníaca, e aí sim é um problema de saúde.
Sexo é bom, sim, não há contestação! Pizza é gostosa também, nem por isso a comemos de manha, à tarde e à noite. Existem muitas coisas deliciosas de se fazer sem as termos como obrigação. O que é feito com obrigação é desprazeroso. O sexo é o belo, o lindo, o lazer, o prazer, não o transforme em uma tarefa que deve ser cumprida.
Psicóloga katree Zuanazzi
CRP 08/170170

Publicado no Jornal de Notícias "A Folha de Saltinho" dia 07-10-2012
Pode ser reproduzido citando a fonte e a autora. (Lei 9.610/1998) 

Um comentário: