sábado, 8 de dezembro de 2012

O GENUÍNO SIGNIFICADO DE “CARPE DIEM”


No Poema “Odes” da autoria do poeta Romano Horácio, em sua ultima frase, está escrito “carpe diem quam minimum credula postero”, em latim, que traduzida ao português exprime a ideia: “Colhe o dia, confiando pouco no amanhã”. Esta famosa expressão, tão curtinha com um significado tão grandioso, abre margem pra considerável interpretação.
O poema mencionado parte de um aconselhamento que Horácio faz a Leuconoe, a persuadindo a tomar proveito de todas as alegrias que se fizerem possíveis no momento presente e não perder sua porção diária sofrendo por um futuro distante e, consequentemente, incerto, tendo como pressuposto que a única convicção da vida é a morte.
Por vezes, a frase pode deixar imprimida a mensagem equivocada de que o futuro não deve ser considerado. Se não prestar atenção a o que cada palavra significa de fato, algumas pessoas pouco instruídas podem fazer a errônea interpretação de que é um incentivo a agir inconsequentemente no hoje ignorando que o futuro existirá. Porém, agindo desta maneira haverá uma certeza: a de que o futuro será desagradável. Logo, esta dedução é inadequada.
Conforme o sentido literário da palavra, a frase translada a ideia de colher, que é sinônimo de apanhar, provar, usufruir e refere-se a o que tem para ser aproveitado naquele exato período em que se está vivento. Faz lembrar outra frase popular, a que afirma que “cada um colhe o que planta”. Aquilo que se faz existente na vida, independente de ser bom ou ruim, teve a contribuição humana (o semear) para que assim o fosse. A partir da reflexão, fica evidenciado que se tem algo a ser colhido é porque outrora foi plantado, e nada mais justo do que servir-se antes que o fruto apodreça e venha a se decompor, simbolicamente reverberando.
O conselho tem como base o desfrutar o presente sem se prender, se preocupar, sofrer pelo futuro, pois nunca saberemos como ele há de ser. Assim, devemos aproveitar o que de melhor o dia nos propicia, mas tendo ciência de que, querendo ou não, iremos arcar com o dia de amanha.
James Dean tem uma frase que, a meu ver, soa como um complemento a carpe diem, é ela:Sonhe como se fosse viver para sempre, viva como se fosse morrer amanhã”. Cabe somente a cada um fazer-se deleitar sobre a ventura, sorte, fortuna que arduamente (ou não) adquiriu em sua vida. Não adie, não deixe para depois sonhos, nem a realização de projetos que você almeja. O agora, é tudo que possuímos.
Lembre-se que “Carpe Diem” deixa como postulado que, o que nos pertence é somente o presente. O futuro, por ser abstrato, não disponibiliza nenhuma certeza, segurança, esteio, cabendo a nós mesmo a responsabilidade de construí-lo. Isto posto, o hoje é o momento adequado para a vida ser aproveitada, cuidada, tratada, para que o momento que venha se fazer presente no futuro também seja satisfatório.

Psicóloga katree Zuanazzi
CRP 08/170170

Publicado no Jornal de Notícias "A Folha de Saltinho" dia 27-10-2012
Pode ser reproduzido citando a fonte e a autora. (Lei 9.610/1998) 



Nenhum comentário:

Postar um comentário