quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

MARKETING PESSOAL


Fala-se em marketing de coisas, objetos, marcas, instituições, mas o que não deve ser deixado de lado é o principal: você, que também não deixa de ser um produto a mercê do mercado de trabalho. Ideias são vendidas o tempo todo, e antes de vendê-las se vende a impressão que o vendedor causou ao cliente.
Marketing pessoal é uma construção que se faz ao longo da trajetória pessoal através de ações planejadas com um determinado objetivo em foco. O marketing pessoal é estabelecido por via da marca pessoal.
Marca pessoal é definida como um sentimento, sensação ou simplesmente primeira impressão causada por uma pessoa. Em sete segundos essa primeira impressão é processada. Estudos afirmam que em 67% dos casos, realmente a primeira impressão é certeira. Tem um ditado popular que diz assim: “digas com quem andas que te direi que tu és”, e no dia-a-dia verdadeiramente isto faz muito sentido. Pelo círculo social de uma pessoa se formata um conceito acerca de quem ela seja.
Quando contatamos uma pessoa pela primeira vez, logo fazemos uma breve análise de sua vida, classe social, nível de escolaridade, grau de instrução, estado civil, ocupação profissional, etc. A imagem pessoal também é fomentada pelas competências subjetivas.
Competência é um fator constituído pela tríade: conhecimento, habilidade e atitude. Conhecimento no sentido de ter ciência, do arsenal de saberes adquiridos ao longo de experiências vividas, bem como da formação profissional despendida. Habilidade, aludindo a ideia de saber como fazer e o motivo para tanto, colocar em prática todo o conhecimento outrora adquirido, ou seja, realizar o trabalho necessário. Atitude, fazendo referência a expressões comportamentais que permitem a comunicação, agir, reagir e interagir com o meio circundante.
A imagem pessoal é um processo, não é estática, é transformada constantemente e pode ser direcionada a o que for necessário. Sabe-se que os dois hemisférios cerebrais são responsáveis por atributos diferenciados, sendo o esquerdo direcionado a lógica, a pensamentos racionais e técnicos enquanto o direito comporta mais o caráter subjetividade, criatividade, expansão, imaginação, fantasia. Ambos devem ser estimulados, pois integram a imagem pessoal e nenhum é mais ou menos importante que o outro.
O fator que rege a imagem que se apresenta é a comunicação, através desta tudo é possível. Comunicação vai além do que sai da boca de uma pessoa, diz respeito a o que o ouvinte compreendeu do que foi dito ou expresso de outra maneira, já que pode ser verbal ou não verbal. A falha de comunicação é origem de muitos males nos relacionamentos interpessoais.
Entre os itens que mais denigrem a imagem pessoal se evidenciam: Não dar ouvidos a o que os outros dizem, não respeitar os desejos alheios, mau humor, ser hostil, grosseiro, irônico, falar mal das pessoas que estão ausentes, ser efusivo e não ser pontual com horários e tarefas. Em contrapartida, para dar uma boa impressão deve-se prestar atenção a alguns detalhes, como chamar as pessoas pelo nome, ser generoso, saber se colocar no lugar do outro, ser prestativo e dedicado.
Psicóloga Katree Zuanazzi
CRP 08/17070
Publicado no Jornal de Notícias "A Folha de Saltinho" dia 07-04-2012
Pode ser reproduzido citando a fonte e a autora. (Lei 9.610/1998)


Nenhum comentário:

Postar um comentário