terça-feira, 27 de novembro de 2012

ADOLESCENTE: UMA VIDA EM METAMORFOSE


Indagar sobre adolescência, de alguma maneira simboliza abeirar paradoxos, implica em permear aquilo que é alheio, concomitante á aquilo que é íntimo. Há uma quebra dos padrões antigos, um desequilíbrio, uma instabilidade. O que outrora foi bem estabelecido não mais são se faz pertinente e sensato.
Adolescer é a conclusão do processo de desprendimento que se inicia ao nascer. Tanto as mudanças físicas quanto as psíquicas fazem com que ele mude a maneira de se relacionar com o mundo, experimenta-se a flutuação entre dependência e independência.
A palavra adolescente é oriunda de adolescere, um verbo latino que comporta juntamente duas significações: Amadurecer, no sentido de crescer, desabrochar, que ocorre no corpo biológico e; Adoecer porque se refere a uma época de crise psicossocial que faz com que o sujeito vivencie uma etapa de adoecimento enquanto ser existente.
A problemática do adolescente se dá sob influência da família, da sociedade, da cultura e principalmente do contexto histórico em que se está inserido. Experimenta-se nesta fase uma condição de vulnerabilidade, por estar com o emocional abalado, pelas incertezas, pelas perdas e aquisições exuberantes e por tudo mais que é novo neste período batráquio.
Há uma sobrecarga energética que fica contida pelo fato de não se saber deslocá-la, por ser tudo novidade. O adolescente é uma pessoa “crua”, inexperiente, pouco provada, não vivida que tem a ânsia de se conhecer e reconhecer seus papéis diante da sociedade. Vive em crise por não ter consistência reflexiva acerca de quem se é. É considerado adulto para ajudar nos afazeres domésticos, mas criança demais para sair sozinho, já é grande demais para brincar, mas muito pequeno para namorar, entre outras desconcordâncias. Ele não consegue se localizar como ser no mundo e isto provoca uma bagunça na sua identidade.
Muitas vezes considerado pela sociedade como um anarquista, problemático, irreverente, o adolescente vivencia um período mais conflituoso para ele próprio do que para qualquer outra pessoa. Vê se desmanchar tudo o que ele era e renascer uma vida diferente, e isto é frustrante para qualquer pessoa. O que bem expressa isso são os postulados de Donald Woods Winnicott que retrata o adolescente como um ser que procura, por várias vias, usando de violência ou gentileza, mostrar ao mundo seu débito, ou tenta fazer o mundo “reconstruir a moldura que [um dia] foi quebrada”. Adolescer quer dizer passar por um período de revolução e construção da subjetividade.
O adolescente tem o imaginário muito aflorado, tem uma consciência reflexiva muito ativa, tem força, coragem para lutar pelo que acredita, começa a construir seus ideais e os vive intensamente. É uma época de muitas instabilidades, no entanto, necessárias para que o individuo estabeleça seu espaço no mundo e se aproprie das suas verdades singulares. Este impasse de identidade que ele vivencia é natural, já que não é mais criança e nem é, ainda, um adulto.
Katree Zuanazzi

Artigo publicado no Jornal de Notícias impresso “A Folha de Saltinho” no dia 17-09-2011.

Um comentário: